segunda-feira, 25 de março de 2019

Olhar invertido

Procuras fora respostas para o que não consegues aceitar e mudar por dentro. 

Clamas por uma reação alheia que te liberte de teu sofrimento, mas teus apelos são em vão, por mais que exponhas tua amargura. Sentes como a gritar sem voz, como a apelar para o vazio. Vazio este preenchido tão somente pela tua própria piedade que implora pela aceitação que ninguém além de ti poderá conceder. 

E continuas a andar em busca, sem perceber que bastarias trocar o sentido de teu olhar para tua dor sanar. 

domingo, 17 de março de 2019

O prazer de ser dispensável

Sentir-se indispensável pode embutir, mesmo que veladamente, o desejo da gratidão e amor eterno e a certeza de possuir o poder destinado às divindades. Tais Seres acreditam que sua importância na vida daqueles a quem servem está diretamente ligada as tarefas desempenhadas e anseios realizados.

Porém, há momentos, que movidos pelo cansaço da doação sem o retorno esperado clamam por uma mudança de posição dos que julgam estar servindo, que nem sabem que têm um benfeitor a sua disposição e, portanto não percebem sua frustração. A dependência não é de quem recebe os benefícios e sim de quem os satisfaz em busca de sentir-se útil de forma a ser imprescindível e totalmente necessário à existência alheia. Por isso, mesmo insatisfeitos pela falta do prestígio almejado, permanecem dispostos a servir como verdadeiros escravos, mas, satisfeitos por acharem-se importantes e indispensáveis.

A carência do Ser que se coloca como imprescindível é tamanha, que não consegue enxergar o prazer que há em ser totalmente dispensável, desnecessário e ainda sim ser admirado e amado pelo simples fato de ser quem é.

domingo, 10 de fevereiro de 2019

Lamentável admitir, mas a cada dia vejo que estamos vivendo a era do cada um por si e ninguém por ninguém. Triste mundo de olhar invertido, voltado para dentro, alheio ao redor. Cegos de Alma.

sábado, 11 de agosto de 2018

Meu Refúgio

Há ocasiões de uma necessidade iminente de estar só, de ficar com a solidão da companhia do eu e do calado da alma. Um refúgio onde silenciam as vozes da razão para escutar o próprio silêncio e entender o que ele tem a dizer. Momentos para perguntar sem se importar em responder, para sentir sem ter que agir, para olhar com avesso dos olhos, para viver sem respirar, para simplesmente existir e ser. Um espaço único, intransferível e inabitável para qualquer outro ser que não seja o próprio. O vazio onde se pode viver o tudo.

terça-feira, 17 de julho de 2018

Sob o meu olhar


Ando pelas ruas esburacadas, nas de tapete vermelho, com ou sem glamour, onde se toma cafezinho no copo e nas que se sorvem as borbulhas do champanhe e em todas o que observo me amedronta o espírito e me faz crer que estamos à beira do caos. A falta de humanidade, de educação, a escassez do sentimento de compaixão para com o outro, a ausência do olhar que olha e vê, são fatos e atitudes cada vez mais presentes nos indivíduos que se locomovem pela vida, totalmente alheios ao mundo que os envolve. Mas qual será a causa de tamanha decadência da essência do ser humano, o que está faltando ou sobrando na formação da personalidade das pessoas? O que será que faz com que o movimento seja cada vez mais para dentro, individualista e até mesmo cruel entre seres da mesma espécie? Pessoas parecem flutuar, como se de olhos vendados estivessem, passando a margem dos iguais sem sequer notar ou se importar com o que quer que seja. Uma legião de solitários perdidos na multidão. Seja qual for o cenário, os personagens estão lá e em número crescente, vestidos de farrapos ou de brilhantes. Triste destino dos seres absorvidos por seu interior que os extirpa o olhar que vê e sente.

domingo, 15 de julho de 2018

Egoísmo?


Por que as pessoas que põem suas necessidades e vontades em primeiro lugar antes de atender a quem quer que seja são, na maioria das vezes, consideradas como egoístas com a visão nociva que essa conduta carrega de pertencer aos maus e cruéis comportamentos do ser humano? Será que tal visão não está ligada ao fato de não se parar para analisar a sutil e profunda diferença que há entre: só pensar em si e pensar em si em primeiro lugar? Uma pessoa que não exerça esse egoísmo dito como cruel e que se preocupe, sempre, com os que estão em volta antes si própria, talvez possa ser vista aos olhos do mundo como dedicada, boa, altruísta, merecedora de elogios, mas desde que nunca mude de postura, caso contrário se juntará aos malfeitores que pensam em si em primeiro lugar. Seguindo no julgamento, o júri da vida vai analisando mais algumas questões, quem puder responda ou somente observe e pense. Como cuidar do lado antes de fortalecer o centro? Como doar forças antes de adquiri-las? Não há como estender a mão sem que a mesma esteja em condições de puxar a quem dela precisa. Não há como satisfazer as faltas do outro antes das próprias, se não tiveres para si, não terás para dar, morrerão juntos com a fome da necessidade iminente de ajuda.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Loucura

Pode ser um devaneio, e certamente é, minha opinião a respeito de um tema tão complexo e vasto, sobre o qual não possuo conhecimento algum, mas creio que esses seres, definidos como alienados, dementes, loucos, estão à cata de suas razões para existir. Gostaria de saber o que pensam, o que sentem, que cores veem, quais são suas crenças, em que mundo habitam.  Quando os observo em estado que aparentam total desligamento me pergunto se não escolheram pegar um atalho da mente e passar para um universo paralelo por insuficiência emocional de viver no mundo dito como normal e feito para todos ou por não quererem estar em um lugar que não lhes oferece nada que os agrade ou por alguma dor insuportável de ser sentida no plano efetivo. Enfim são vários meus questionamentos, mas todos, embora nenhum me aponte uma resposta concreta, me levam a acreditar, independente da enfermidade que essas pessoas possam ter, que existe sim uma realidade alternativa que oferece a essas mentes o abrigo e conforto que a sociedade palpável não é capaz. Por isso entram em seus “buracos de minhoca” a procura de um espaço que coexiste com o mundo real, porém em separado e desconhecido dos “normais” e lá permanecem com o desejo de encontrar a paz necessária para viver, ou viajam através do tempo estacionando no momento de suas vidas em que eram realmente felizes e por lá ficam existindo como “loucos” sem revelar seu segredo a ninguém o que impede de serem resgatados e trazidos de volta a vida de “verdade”.