quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

As pessoas que passam pela nossa vida

Durante toda nossa vida cruzamos com pessoas e pessoas. Algumas que vamos lembrar para sempre e outras que vão ficar perdidas no tempo, como a poeira no vento.
Não estou falando aqui de pessoas de nossa família e amigos, não. Essas são próximas por natureza e como tal irão nos acompanhar sempre mesmo que só no pensamento ou de relance quando passamos pela sala e olhamos para o porta retrato em cima de um móvel no canto da sala com a foto daquela tia que só vemos em casamento ou enterro de algum parente.
Falo por exemplo, daquelas que encontramos, aparentemente por acaso, na rua e nos fazem um favor sem que tenhamos que pedir, daquelas que nunca vimos e de repente olhamos e achamos que conhecemos de algum lugar, daquele motorista que nos fechou no transito e quando estamos prontos para dizer uns bons desaforos ele nos olha e pede desculpa nos deixando completamente desconcertados porque estávamos prontos para a briga. São dessas pessoas que estou falando, pessoas que em uma primeira analise não teríamos nada em comum e inesperadamente cruzam nosso caminho deixando sua marca.
Tem uma história que aconteceu comigo que serve como ilustração para o tema. Uma vez no metrô, em um país longe daqui, eu e meu namorado estávamos revirando um mapa das inúmeras linhas existentes tentando nos encontrar, quando uma mulher que nunca tínhamos visto antes ofereceu o seu, que era muito melhor do que o nosso. Deu para ver que era o seu amuleto de todos os dias, tinha marcações e estava já bem gasto pelo uso. Ficamos sem jeito de aceitar porque vimos que era de seu uso diário. Mas mediante a delicadeza e a insistência da desconhecida mulher, percebemos que seria uma desfeita recusar. Foi uma situação que nunca vou esquecer, mesmo sem termos trocado uma única palavra, pois não falávamos o mesmo idioma, ela nos fez um enorme favor. Usamos aquele mapa durante toda a viagem. Ela, certamente, não lembra mais de nós. Para ela, nós nos perdemos no tempo como a poeira no vento, mas para nós ela ficará para sempre em nossas memórias.
E ainda tem aquelas, nem parentes nem amigas, porém velhas conhecidas que fazem parte de um tempo distante que guardamos na memória por toda a vida como a saudosa professora do primário. Quem é que não se lembra dela ou delas? No meu caso foram duas, a doce e calma professora Nice e a séria e austera professora Sueli com seu inseparável batom vermelho. São figuras marcantes, as professoras da infância, que mesmo de uma época longínqua ficam registradas para sempre em nossas lembranças.
Muitas vezes podemos também ser essas pessoas na vida de alguém e nunca nos darmos conta disso. Quem garante que nunca estivemos na via de uma pessoa, como a viajante do metrô que falei há pouco? Ou que estamos guardados na memória de alguém como a velha e lendária professora do primário? Nossa! Estou ficando antiga... Primário? Acho que não tem mais esse nome não. Isso é coisa do passado, mas quem é que não tem o seu? E feliz daquele que tem do que e de quem lembrar.
Belas são as pessoas que passam pela nossa vida, que com certeza tem um porque mesmo que não seja aparente e que não dê para entender em um primeiro plano.
  
(Venda do livro Tudo Na Vida É Passageiro através do site clube de autores: http://www.clubedeautores.com.br/search?what=bia+tannuri)
 22-07-2010

6 comentários:

  1. Querida Bia, adorei o teu relato. Tenho que concordar quantas são as pessoas que passam pela nossa vida, de uma maneira ou de outra ela são pilares importantes para o nosso crescimento evolutivo nessa passagem terrena. Beijos.

    Jane Aparicio
    (23/7/2010 18:52:37)

    ResponderExcluir
  2. Jane! Que bom ver que gostou. Realmente, as pessoas que passam por nossa vida contribuem e muito para nossa missão por aqui. bjs
    (24/7/2010 11:53:14)

    ResponderExcluir
  3. Olá, estou fazendo uma visita, parabéns pelo blog! www.giselehenriques.com Abraço!!
    (25/7/2010 23:52:14)

    ResponderExcluir
  4. Gisele, obrigada.
    Dei uma passada no seu site e também gostei muito. Venha me visitar mais vezes, deixe sua opinião, será sempre bem vinda.
    bjs.


    (26/7/2010 14:17:16)

    ResponderExcluir
  5. Cristiane Freitas Rossi6 de fevereiro de 2011 22:01

    Oi Bia, encontrei seu blog, olhando do Arnaldo Jabor, e confesso que amei, o que vc escreve é com tanto sentimento, lindo mesmo...Parabéns!!!!!!!!
    (6/8/2010 10:20:28)

    ResponderExcluir
  6. Obrigada Cristiane!
    Fico feliz de conseguir atingir com meus textos os sentimentos de quem eu ainda não tive a oportunidade de conhecer, é um verdadeiro privilégio. Vou incluir vc na lista para enviar as atualizações do blog.
    bjs

    (6/8/2010 10:42:08)

    ResponderExcluir