sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Conexões que nunca deveriam ter acontecido

Sem nenhum julgamento, pois esse não é o objetivo, mas ao longo da vida observam-se algumas conexões que nunca deveriam ter acontecido. Ligações camufladas de sentimentos inexistentes alimentados por interesses outros não possíveis de serem admitidos e assumidos até o momento do doloroso e por vezes cruel rompimento.
Será realmente que a máxima O amor e ódio convivem lado a lado é verídica? Ou é somente uma forma de justificar o que não se pode compreender? Como juras de amor, de admiração, de respeito e outras ligas que preenchem ligações de causar inveja podem ser eliminadas dando lugar a sentimentos cruéis de total impossibilidade de convivência entre seres que pareciam conectados por laços de aparência tão profunda?
Uma casa que é construída sem alicerces vai ruindo silenciosamente por dentro deixando ver apenas algumas rachaduras e manchas, as quais não são dadas a importância devida, tomando-se apenas medidas paliativas e quando menos se espera a casa cai, não deixando nenhuma parede de pé para lembrar o que um dia foi. Talvez seja esse o mistério das relações aparentemente sólidas que simplesmente são destruídas não restando nem uma memória para ser lembrada. Devem ter sido construídas sobre o nada e empurradas ao longo até que um dia não há nada para resgatar, nem os cacos e aí realmente não há como conviver, nem suportar.
Mas o que é que leva um ser a manter-se em uma relação com tal teor de fel que poderá estourar a qualquer momento deixando seu amargo que inundará as suas entranhas do existir? O que será que o leva a “construir” sobre o nada? Será que só após o desmoronamento, quando nada mais estiver de pé, é que irá dar-se conta que a casa nunca esteve lá? Ou talvez só existisse na sua imaginação e quando cansou de imaginar o nada tudo veio abaixo e virou pó?
São indagações difíceis, ou talvez impossíveis de serem sanadas, mas felinas que machucam e ferem na alma.
Conexões que nunca deveriam ter acontecido, na realidade nunca foram de fato conexões nem relações. No máximo um encontro mal elaborado entre seres que não tiveram, ou não quiseram ter, a visão do sentimento de que nunca deveriam ter existido e a levaram até minguar toda possibilidade do seu existir... Ou talvez até levaram-na a tal ponto para destruir o que sabiam no inconsciente que deveria acabar antes de começar, mas o consciente não teve coragem de admitir.

As verdadeiras conexões são as de alma que existem mesmo antes de começarem.

2 comentários:

  1. Há muitas conexões clandestinas...

    bjinh

    ResponderExcluir
  2. Olá Renan!
    É verdade...

    Temos é que afinar o coração para sentir as verdadeiras...

    ResponderExcluir